Crónica “Flutuar Sobre Ondas“ | O que é isso da energia? É contagioso?

Segue-nos

  • Facebook - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • LinkedIn - Black Circle
  • Pinterest

SONHADORES PRATICANTES

Questões? Parcerias?

soloadventuresofficial@gmail.com

Crónica "Flutuar Sobre Ondas" | O que é isso da energia? É contagioso?

Altamente contagioso! Trata-se da origem de todos os estragos e de todas as expansões no universo. É tudo o que é, visível e invisível. É tudo o que fomos, somos e seremos, tudo o que achamos que temos, que vemos, que comemos, que sentimos, que tocamos, que respiramos, que imaginamos, e podia ficar aqui eternamente a descrever o que envolve energia, e seria a minha desgraça porque não faria mais nada na vida. O importante a transmitir neste estágio é que já deu para salientar que a energia está e é tudo o que existe.

 

 

 

 

 

 

Na minha opinião, desde a infância que nos devia ser transmitida a importância da energia e o impacto que esta tem na nossa vida e na de todos os que nos rodeiam, já para não falar da influência que nós temos sobre o meio envolvente e este sobre nós. A energia é a base e a explicação de tudo o que acontece, mas não dá muito jeito que seja abordada porque traz a si agregada o princípio da responsabilidade individual, que chata e maçadora que ela é, bolas!  

 

No momento em que todos tomarem consciência que são energia 24h por dia, digo sem qualquer receio que O MUNDO MUDA. A nossa vibração altera para frequências mais altas e todo o nosso universo interior e exterior altera igualmente, contagiamos o ar com as denominadas “good vibes”, mas atenção…o contrário tem o mesmo peso e efeito nefasto no nosso ambiente.

 

Quando tomamos consciência da construção da nossa composição física (corpo biológico) e estado emocional (corpo mental), cai finalmente a ficha e temos nesse instante a plena noção de que somos os autores directos e indirectos de praticamente tudo o que reflecte a nossa experiência de vida. Deixa de fazer sentido apontar o dedo, julgar os outros e principalmente culpá-los dos nossos infortúnios, e mesmo quando estes não existem, ainda sobra para o maior desgraçado de todos os tempos, Deus.  

 

Como já referi num “Flutuar sobre Ondas” anterior, a maior dificuldade é a convivência entre seres com níveis de consciência diferentes. Quando falo em consciência, não me refiro ao nível de conhecimento, caso contrário o mundo estaria hiper harmonioso e em paz entre todos, não, a maioria do conhecimento fornecido não serve para grande expansão das consciências, serve sim para entupi-las com mais medo, frustração, distanciamento, separação, competição, guerras por direitos e valores ainda mais restritivos.

 

Qualquer tipo de conhecimento será benéfico ou destruidor dependendo sempre do nível de consciência de quem o adquire, pode também não servir de absolutamente nada, muitas das vezes entra e desvanece ainda mais rápido (não apresenta substância porque não passa de teoria que muitas das vezes não se enquadra na realidade física em que estamos).

 

Outro pormenor interessante, a informação vai passar sempre pelos nossos filtros, camadas e camadas de crenças e percepções que distorcem toda e qualquer tentativa de bem maior, basta observarem as inúmeras discussões que fazem sobre um único assunto, cada um de nós apresenta uma linguagem e interpretação única, e isso não está errado, é a diversidade, basta apenas aceitar as diferenças e deixar de marrar, é o ego que quer ganhar, a consciência apenas quer ser.

 

Quando tomamos consciência dos acontecimentos na nossa vida como seres energéticos, tudo o que antes era o nosso propósito de vida deixa de fazer sentido, numa fase inicial é deveras triste e frustrante, observarmos todo o tempo gasto e principalmente energia com coisas, pessoas, acontecimentos ao qual estávamos apegados por medo do desconhecido, por crermos que tinha de ser assim, afinal de contas todos o fazem, todos o têm, todos acham que são, será assim mesmo? Bem lá no fundo sentes mesmo isso? Então explica-me o motivo de tanto vazio no peito, tanta insatisfação na alma?

 

Não respondas, sente, toma apenas consciência destas ou de outras coisas, deixa-te ir com as ondas, elas levam-te sempre para onde terás de ir, poderá é não ser aquilo que idealizaste toda a vida, ou que te venderam como sendo o mais acertado para ti. Mas queres viver a tua vida ou queres continuar a viver as vidas dos outros? Tudo é uma escolha, só precisas de respirar fundo e tomar a decisão…a onda faz o resto.

 

Este processo não é nada fácil, são muitos anos a alimentar e a construir um ego que achamos ser quem nós somos, são muitos anos a fazer comparações sistemáticas com tudo o que mexe e respira à nossa volta, são muitos anos a acreditar em valores e verdades nebulosas passadas de geração em geração na sua maioria pelas pessoas ao qual daríamos a nossa própria vida, são muitos anos distraídos com coisas e assuntos que não servem para nada, apenas para nos ocupar a mente em vez de a utilizarmos para a nossa expansão e abundância a todos os níveis.

 

Com alguma indignação da minha parte, constato que não temos a noção da preciosidade de que somos feitos e constituídos, caso contrário andava tudo com um sorriso nos lábios, garanto-vos! Não seria relevante a invenção e fomento de religiões e ademais ideologias, não seria indispensável a criação de partidos políticos que servem apenas para criar ainda mais separação entre os cidadãos, não seria essencial a concepção de fronteiras e nações, e por adiante. Quanto maior o nível de consciência, maior o nível vibracional do ser, sendo as vibrações mais altas as associadas ao amor, abundância, alegria, criatividade, maior integridade individual e pelo colectivo, não seriam necessárias tantas regras de controlo porque deixaria de haver ameaça derivada das vibrações de medo.

 

A maior epidemia manifesta-se pelas trocas energéticas transferidas constantemente entre humanos. Somos corpos magnéticos emissores e receptores de energia ou informação, estamos inseridos num campo unificado constituído por ondas, tudo vibra em nós e fora do nosso corpo, a principal fonte de comunicação entre todas as coisas neste sistema é através da vibração, no caso dos humanos foi criada posteriormente as palavras e dialectos para um diálogo mais composto e possivelmente com o objectivo de camuflar emoções entre pares para quem quer crer que o consegue.

 

Ao longo dos tempos fomos criando através das cordas vocais uma forma de nos expressarmos, foi realmente incrível, cada som codificado por palavras tem em si uma tremenda carga energética apenas nossa, trata-se de mais uma ferramenta fantástica que detemos. Mas também criámos a capacidade de nos prejudicar através da palavra, é tanto o medo que nos especializámos em emitir sons que transmitem apenas ao nível fonético exactamente o contrário daquilo que sentimos na maioria das vezes, até ai tudo certo, para o outro que recebe a mensagem não tem grande impacto em si, quem recebe a maioria da carga energética totalmente desequilibrada é o emissor.

 

Neste ponto gostaria de ressaltar a importância do corpo energético de cada um de nós e como o nosso estado vibracional interior influência a nossa realidade, a forma como sentimos e percepcionamos o exterior e principalmente a nossa capacidade de influenciar a realidade dos outros seres e espaços físicos. Muitas pessoas sempre tiveram noção desta capacidade, contudo utilizam-na de formas pouco construtivas, pelo contrário, têm aplicado de forma a condicionar cada vez mais as mentes distraídas através de manipulação e controlo psicológico, com formatos tão subtis que a grande maioria nem se apercebe que tem vindo a viver em estado zombie e a tomar exactamente as decisões que os outros imperceptivelmente sugerem.

 

Todos temos as mesmas capacidades energéticas, e já temos tudo o que precisamos para sermos a nossa melhor versão, sei que estou sempre a repetir estas cenas mas é de propósito, a repetição neste sentido tem um efeito de quebrar algumas ligações sinápticas em desuso e substituir por novas mais produtivas para os momentos presentes. Atenção, nada do que foi dito é novo, há milhares de anos que várias alminhas têm atravessado todo o planeta, de áreas e épocas distintas, tem mencionado grandes conhecimentos sobre o campo energético que somos e em que estamos inseridos como um todo, e não precisaram de tirar um curso para obter uma certificação (papel que não garante que a pessoa sabe o que está a fazer ou dizer, só para salientar) ou pesquisar o Google.

 

Hoje temos tudo à nossa disposição, já estamos salvos há dois mil anos!!! Não é de loucos o que temos vindo a sentir? Vamos aproveitar esta oportunidade para ganhar mais consciência, conhecer o nosso corpo físico e energético, substituir valores por princípios (que tenham uma função prática na vida), elevar a nossa vibração, criar experiências que nos façam expandir, aproveitar todas as coisas boas da vida, vamos agora apenas observar o momento presente e aplicar o seguinte princípio de tamanha simplicidade e sabedoria do querido Dalai Lama que todos conhecem, ora aqui vai: “Disciplina interior, identificar os factores que levam à felicidade e os que levam ao sofrimento. Começar a eliminar os que levam ao sofrimento e cultivar os que levam à felicidade. É esse o caminho.”

Basta para isso tomar a decisão.

 

Finalmente nos voltamos a encontrar,

*texto escrito ao abrigo do antigo acordo ortográfico

 

Please reload

Artigos Relacionados

Please reload

Artigos Recentes

Mami Pereira, entre muitas coisas arquelojista e uma mulherzinha d(O) Caraças

Partilhar inspiração vale a pena?

Não é isto que quero para a minha vida

1/1
Please reload