Qual é o teu ponto de partida?

Segue-nos

  • Facebook - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • LinkedIn - Black Circle
  • Pinterest

SONHADORES PRATICANTES

Questões? Parcerias?

soloadventuresofficial@gmail.com

Qual é o teu ponto de partida?

O final de tarde de dia 29 de maio foi de calor e muita felicidade. Conheces aquela emoção de quando encontramos pessoas com quem temos muito em comum? O momento em que validamos mais um pouco a ideia de que não estamos sozinhos/as na nossa missão? Foi um momento desses e de muito mais.

 

 

O convite veio do projeto Ponto de Partida Lab da Universidade de Lisboa e claro que o Solo Adventures e os seus Sonhadores Praticantes não podiam recusar. Para além de uma oportunidade de partilha sobre a nossa missão foi também de inspiração conjunta com a intervenção das pessoas que deram de si algo extremamente valioso: tempo.

 

Quem é o Ponto de Partida Lab?

 

"Um projeto inclusivo de educação informal orientado para o desenvolvimento de soft skills dos estudantes da Universidade de Lisboa. Este projeto, associado ao ISCSP-Cidadania, prevê a realização de diversas atividades que promovem o desenvolvimento de competências em contexto social, na interação com os outros.

 

Com o objetivo de criar Experiências Educativas IN (INclusivas, INformais e INspiradoras), o projeto, coordenado por Cláudia Vaz, docente do ISCSP-ULisboa, está organizado em cinco laboratórios sociais (CESVLab, Storytelling Lab, Empathy Lab, City Lab e VUCA Lab), numa experiência tailor made, à medida de cada estudante."

 

Foram acumulados de minutos que se tornaram horas, onde se abordaram pontas soltas e como alguém se pode tornar num(a) sonhador(a) praticante, ou seja, um especialista das ideias à prática.

 

Fechamos este artigo como encerrámos parte da partilha num evento que foi rodeado de livros, com um poema:

 

Morre lentamente quem não viaja, quem não lê,
quem não ouve música,
quem não encontra graça em si mesmo.

 

Morre lentamente quem destrói o seu amor-próprio,
quem não se deixa ajudar.

 

Morre lentamente quem se transforma em escravo do hábito,
repetindo todos os dias os mesmos trajetos,
quem não muda de marca, não se arrisca a vestir uma nova cor
ou não conversa com quem não conhece.

 

Morre lentamente quem faz da televisão o seu guru.

 

Morre lentamente quem evita uma paixão,
quem prefere o negro sobre o branco
e os pontos sobre os "is" em detrimento de um redemoinho de emoções
justamente as que resgatam o brilho dos olhos,
sorrisos dos bocejos, corações aos tropeços e sentimentos.

 

Morre lentamente quem não vira a mesa quando está infeliz,
quem não arrisca o certo pelo incerto para ir atrás de um sonho,
quem não se permite pelo menos uma vez na vida fugir dos conselhos sensatos.

 

Morre lentamente quem passa os dias queixando-se da sua má sorte ou da chuva incessante.

 

Morre lentamente quem abandona um projeto antes de iniciá-lo,
não pergunta sobre um assunto que desconhece
ou não responde quando lhe indagam sobre algo que sabe.

 

Morre lentamente...

 

Pablo Neruda

 

Boas Aventuras,

 

 

 

Please reload

Artigos Relacionados

Please reload

Artigos Recentes

Mami Pereira, entre muitas coisas arquelojista e uma mulherzinha d(O) Caraças

Partilhar inspiração vale a pena?

Não é isto que quero para a minha vida

1/1
Please reload