top of page

Desenha a tua carreira de sonho: Lições de Peter Gibbons em “Office Space”





Hoje, estava sentado à secretária, no meu cubículo e percebi que, desde que comecei a trabalhar, cada dia da minha vida tem sido pior do que o anterior. Isso significa que cada dia que me vêem, é o pior dia da minha vida. Peter Gibbons (Office Space, 1999)

Peter Gibbons é um programador de software, na casa dos 30, que trabalha na empresa ficcional Initech, no filme "Office Space" (1999), mas podia representar um trabalhador real, insatisfeito com a sua vida profissional, em 2024.

 

Peter representa o desencanto de muitos trabalhadores reais com o mundo corporativo. Ele desempenha tarefas monótonas, repetitivas e desmotivadoras, nas quais não encontra significado e trabalha horas a mais. Ele vive num desalinhamento com o seu trabalho, mas tem dificuldade em identificar o que pode alterar para sair do piloto-automático da semana de trabalho. Nos poucos tempos de descanso, não demonstra apetência por outros interesses, vivendo apenas para uma relação amorosa disfuncional.

 

Trabalha num open space cinzentão e opressivo, sem iluminação natural e onde a sua concentração é posta à prova permanentemente, seja através do ruído causado por colegas no atendimento telefónico ao cliente, ou das interrupções do vice-presidente da empresa, um arquétipo do chefe da microgestão, que percorre os corredores da empresa a interpelar os funcionários no desempenho das suas funções, num tom monocórdico e sem empatia. A sua presença é tão avassaladora para Peter, que ele até tenta sair do escritório sem ser visto pelo chefe, para que este não lhe peça para trabalhar ao fim de semana. Mas, nesta altura, Peter ainda não tem ferramentas para se impôr e negar o pedido recorrente e pouco razoável do chefe.

 

Peter encontra alguns momentos de consolo nas idas a um café perto do escritório e em conversas com os amigos e colegas Samir e Mike que, tal como ele, partilham a angústia da insatisfação profissional, num local de trabalho que não lhes dá o devido reconhecimento e até os desconsidera.

 

Um dia, já numa fase de profundo desespero, Peter acede ao pedido da namorada para visitar um hipnoterapeuta, onde partilha a reflexão que abre este artigo.

 

O especialista começa por conduzir Peter a um estado de relaxamento e dá-lhe indicações para deixar todas as preocupações de lado. No entanto, antes de conseguir remover Peter daquele estado, tem um ataque de coração fulminante. A partir deste momento, opera-se uma mudança profunda em Peter. Ele assume o controle da sua vida, ao invés de deixar que esta seja controlada pelo medo. Termina a relação tóxica com a namorada e assume uma nova postura, pautada pela curiosidade, experimentação e disponibilidade para a acção.

 

Peter inicia um conjunto de conversas mais conscientes com os colegas, com um vizinho que trabalha numa empresa de demolição e até com uma dupla de consultores antiéticos, contratados pela Initech para reestruturar a empresa, acerca das possibilidades ao seu dispor e, em última instância, sobre o que é encontrar significado no trabalho. Peter deixa de cumprir tarefas que encarava como repetitivas e desnecessárias e começa a ser mais frontal e incisivo na crítica ao modo como o trabalho está organizado e como as pessoas são tratadas na Initech. Em simultâneo, também se deixa dormir até tarde, não comparece em algumas das obrigações assumidas pelo seu "eu" anterior, remove uma parte do seu cubículo para deixar entrar luz solar, rompe o código de vestuário e, a dada altura, até se põe a amanhar um peixe na sua secretária.

 

Esta exploração permite que Peter compreenda que nunca se irá sentir realizado na Initech. Ele não aprecia as suas próprias funções de programador, não se identifica com a estrutura rígida e inflexível da empresa nem com a chefia tóxica e obcecada pelo controlo que trata os funcionários como seres descartáveis. Por outro lado, prefere um estilo de gestão mais descontraído, com horários flexíveis, autonomia nas suas funções, interações informais e o contacto com a natureza.

 

Como é que o exemplo de Peter ilustra como o Design Thinking pode ser usado para desenhar uma carreira de sonho?

 

O Design Thinking é uma abordagem inovadora à resolução de problemas, que pressupõe que pensemos como designers, reunindo, em colaboração, o máximo de informação, perspectivas e ideias possíveis, para encontrar soluções para problemas, melhorar processos ou até, encontrar novas oportunidades de carreira, por exemplo.

 

Etapas:

  • Empatia - Peter reúne toda a informação possível, através da observação, das suas próprias vivências e através de conversas com colegas e consultores, informações para mapear o ambiente que se vive dentro da empresa Initech.

  • Definição - Peter vive num estado de dissonância cognitiva porque necessita de encontrar propósito no trabalho, o que não encontra nas suas funções enquanto programador na Initech.

  • Ideação - Peter considera possíveis alternativas para resolver a sua insatisfação. Estas incluem aceitar a realidade e manter-se no estado de insatisfação atual, ressignificar a sua relação com o seu trabalho, procurar uma mudança através de mobilidade interna ou despedir-se.

  • Prototipagem - Peter tem conversas com colegas sobre outras possibilidades de carreira na mesma área que lhe indicam que uma empresa concorrente está à procura de recursos humanos, altera a disposição da secretária para ter acesso a mais luz solar e começa a usar roupa e calçado mais descontraído.

  • Teste/Implementação - Tendo percebido na fase de prototipagem que anseia por um trabalho em contacto com o ar livre e mais descontraído, Peter inicia um novo trabalho numa empresa de demolição, junto do seu vizinho.


Como facilmente se pode depreender a transição de Peter de colaborador exemplar para negligente, é extrema e hiperbólica para efeitos ficcionais, mas conduz a uma realização muito real.

 




Quando este personagem envereda por um caminho de autodescoberta e de exploração ativa das diversas possibilidades profissionais à sua disposição, tem consciência de que sentir realização no seu trabalho é um valor importante para ele, e a partir daí, adopta um plano para desenhar uma nova carreira para si.

 

No próximo dia 13 de abril 2024, vou dar o Workshop "Desenha a Tua Carreira de Sonho", onde vamos utilizar os princípios do Design Thinking para explorar e definir diversos percursos profissionais, bem como desenvolver um plano de ação estratégico para concretizar as aspirações profissionais.

 

Se estás num momento de mudança, se precisas de fazer uma reflexão séria sobre a tua carreira ou és uma pessoa curiosa por esta abordagem inovadora junta-te a nós, aqui:




 

Fontes:
“Office Space” (1999) in https://www.imdb.com/title/tt0151804/
“Designing your work life - How to Thrive and Change and Find Hanppiness at Work (2020), Bill Burnett & Dave Evans

Artigo da autoria de Rita Santos.

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page