top of page

Marino Gaspar, quando viver é uma urgência e vem pelo serviço

Atualizado: 27 de jun. de 2021

Cada história escreve-se entre um emaranhado de outras que se cruzam como se de um novelo denso se trata-se que prende dentro dele o que se viveu, o que se viu, sentiu, cheirou, escutou e enfrentou. Numa história de vida não há coitadinhos, fracos, feios e maus. Há pessoas, decisões, reações e coisas que a vida tece. A vida do Marino tem disto tudo e ainda mais. Vem daí nesta viagem.


Sinopse de como nos conhecemos

Conheci o Marino num local que é feito de pessoas e onde já encontrei muitas verdadeiramente inspiradoras, na Academia de Líderes Ubuntu. O ano era 2019, se a memória não me troca as voltas, e ele estava presente em cada uma das sessões. Sempre apressado a fazer o que lhe competia.


Sobre o Marino


A história do Marino vem escrita por quem a viveu por isso não vou destroçar as suas palavras, abstenho-me de comentários porque o sentimento está lá todo e as emoções deixo para ti que as lês.


"Não sei se era de dia ou de noite. Não sei se era verão ou inverno. Sei pouco, na verdade. Mas sei que a minha mãe me abandonou, doente, à porta do centro de saúde da nossa área de residência com meses de idade.


Pequeno Marino no colo da avó após sentir o abandono por parte dos pais


Quando me encontraram, chamaram a minha avó para me recolher... e, desde então, fui criado tendo os meus avós maternos como “pais” e tendo vivido uma infância “normal” durante os seis primeiros anos.


Foi através deles que fiquei a saber que os seus dois filhos – o meu tio e a minha mãe – tiveram uma infância e uma adolescência complicadas devido aos rígidos costumes e estratégias de educação que os meus avós usavam. Devido a estes elevados níveis de exigência e, calculo, ajudados pelos “loucos anos oitenta”, tanto um como outro se deixaram levar pela onda de “sexo, drogas e rock-and-roll”, acabando por se tornarem ambos toxicodependentes.


As aventuras vividas entre a minha mãe e um jovem da Guarda Nacional Republicana (GNR) resultaram numa gravidez. Nesta altura, o meu pai fez um ultimato à minha mãe: a droga ou ele? “Quem dois gostos quer ter, um deles tem que perder” e não foi diferente com a minha mãe. O meu pai expulsou-a de casa e as aventuras multiplicaram-se em quantidade e nível de risco. Foi um processo complicado que, para além de ter posto em causa a “liberdade” que a minha mãe já tinha a levou a implorar o regresso a casa dos seus progenitores e a conduziu a vários meses de internamento por gravidez de risco devido ao aumento dos consumos.


Foi neste contexto que nasci, entregue aos cuidados de uma mãe que ainda não estava preparada para o ser, cujo companheiro havia desaparecido. Mas, como vos disse, as minhas memórias da infância até aos 6 anos pautam-se por momentos de normalidade, em família, tendo os meus avós maternos a assumirem o papel de meus pais.



Em abril de 1998, o meu avô foi operado de urgência. Viu-se obrigado a amputar a sua perna esquerda devido a uma infeção generalizada no pé devido a consequências da diabetes. A minha avó desfez-se em esforços para que a nossa vida e o nosso quotidiano não fossem afetados por esta alteração da situação do meu avô.


Marino com o seu avô com quem nutriu uma ligação forte desde pequeno

Contudo, um a ano após a amputação, o cansaço e a depressão falaram mais alto e a saúde da minha avó deteriorou-se. Tinha que cuidar do meu avô e, agora, tinha também que cuidar de si, fazendo com que ficasse menos disponível para acompanhar-me.


Durante esse período, houve várias ocasiões em que tive que passar algumas semanas em casa da minha mãe. Na altura, a minha mãe prostituía-se para poder ganhar dinheiro para o consumo de heroína. Durante essas horas, eu era deixado aos cuidados do meu padrasto ou largado na rua até que ela voltasse. Recordo algumas situações de violência e os momentos em que era obrigado a ir aos caixotes do lixo, durante a noite, à procura de comida e de itens para vender na feira da ladra como forma de ganharmos algum dinheiro para eles comprarem droga.


Resumindo: durante o dia, a minha mãe e o meu padrasto consumiam e ressacavam, enquanto eu e a minha irmã andávamos a brincar pelas ruas do “Bairro Amarelo” sem horas, sem refeições e sem regras até à hora da minha mãe ir “trabalhar”. Não raramente faltava à escola mas, mesmo quando ia, houve dias em que ninguém apareceu para me ir buscar. Acompanhava a funcionária na limpeza depois da escola fechar mas por volta das 21 horas ela tinha que ir embora e eu tinha que me desenrascar sozinho. Esta situação alarmou as professoras e animadoras do ATL.


Marino na escola primária local onde obtinha o conforto que fora dela lhe faltava

Decidiram que seria melhor eu voltar a casa dos meus avós e comecei a ajudá-la e a assumir algumas das suas tarefas em casa. Apesar de estar feliz por voltar a um contexto seguro, era-me difícil conter as perguntas que começavam a ocupar a minha mente: “porque é que eu não conheço o meu pai? Porque é que os meus colegas todos têm um pai e eu não?”.

Por muito que perguntasse à minha avó, poucas respostas consegui obter. Mas eu estava tão determinado em conseguir encontrar o meu pai que um dia, numa ação de formação da Escola Segura da GNR, cheguei a pedir ajuda a um Cabo. Não resultou mas, pelo menos, eu tinha feito alguma coisa.


Em segredo, a minha avó acabou por contactar com o meu pai e combinou um encontro entre mim e ele. Lembro-me bem desse momento! Na altura, tinha-me caído um dente e eu estava convencido de que íamos a caminho do dentista. Aproximámo-nos de um carro e eu perguntei à minha avó porque é que nos dirigíamos para lá. Respondeu-me que era o meu pai. Sei que conversei com ele cerca de trinta minutos. Não me recordo do conteúdo da nossa rápida conversa. Depois, levou-nos a casa, deixando-me cheio de promessas que acabou por nunca cumprir.


Mas a vida continuava. Nova escola significava novos desafios pela frente. Era uma criança tímida e não tinha muitos amigos da minha idade. Juntava-me aos professores na tentativa de me afastar de confusões e procurando sentir-me protegido.


Em casa, via a minha responsabilidade cada vez mais aumentada e, por volta dos meus dez anos, já tinha a meu cargo a administração de insulina ao meu avô, a realização dos testes diários de glicemia, a gestão da medicação (e ele tinha que tomar mais de trinta comprimidos por dia), pedir e aviar receitas e gerir os pedidos de ambulância sempre que tinha que dirigir-se ao hospital.


Sujeito a toda esta pressão, o segundo ciclo caracterizou-se por muitos altos e baixos e por alguns problemas de comportamento. Por essa altura, comecei a ser acompanhado pela psicóloga do centro de saúde. Uma das queixas da minha avó era que eu fazia xixi na cama!

Lembro-me bem da dificuldade que tivemos em arranjar uma clínica em que pudesse fazer uma urofluxometria, para que se determinasse se o problema era físico ou psicológico. Mas lembro-me igualmente bem das dificuldades que eu tinha em compreender porque é que a minha vida tinha que ser assim, tão cheia de tarefas, de responsabilidades, sem liberdade nem tempo para aprender ou para descobrir o mundo à minha volta.


Já não bastava que a pessoa que eu mais gostava no mundo estivesse acamada e dependente? A fisioterapia e a prótese que tinha sido fornecida ao meu avô não estavam a ajudar e ele dependia de terceiros para fazer o que quer que fosse.


Eu sentia-me muito cansado, física e psicologicamente. Estava no meu limite. Cheguei a fazer duas tentativas de suicídio com ingestão medicamentosa.


Mas a situação de saúde do meu avô não nos dava tréguas. Piorava de dia para dia. Foi submetido à amputação da segunda perna e tinha tido um acidente vascular cerebral, tornando-se cada vez mais dependente. As minhas responsabilidades aumentavam proporcionalmente à necessidade crescente de cuidados, precisamente num momento em que se aproximava uma grande decisão.


Marino ainda na escola básica quando começou a formatar computadores e desenvolver a curiosidade pela informática

Após concluir o 9.º ano de escolaridade, eu sabia que queria frequentar um curso profissional e estava muito inclinado para a área da Informática. Desde muito jovem que era apaixonado por computadores e pela tecnologia em geral, e tinha inclusivamente sido positivamente influenciado pelas aulas de iniciação à informática e pelo estágio que fiz na escola, onde estava responsável pela manutenção dos equipamentos. Mas tinha que escolher entre ir para a escola secundária do Monte da Caparica (opção que me faria continuar submerso naquela realidade que me sufocava e da qual não conseguia libertar-me) ou sair de casa e ir estudar para o Alentejo (opção que me faria afastar de tudo o que conhecia e, apesar de tudo, me dava segurança).


Em setembro de 2006, parti para o Alentejo, mais precisamente para Avis, para a Escola Profissional Abreu Calado, decidido a tentar mudar o rumo da minha vida. Esta decisão foi muito influenciada pela minha participação num campo de férias (da qual falarei mais à frente).


Infelizmente, três meses após ter saído de casa, o meu avô morreu e a minha avó, que não queria ficar sozinha, decidiu partir para os Açores (de onde era natural). Estas perdas fragilizaram-me muito e acabei por entrar numa depressão que quase pôs em risco o meu projeto de investir na minha formação, uma vez que comecei a reprovar a várias disciplinas.


Marino viaja sozinho até aos Açores onde se reencontra com a sua avó após dois anos afastados durante o luto pelo seu avó


Felizmente, tive a sorte e o privilégio de me cruzar no meu caminho com pessoas extremamente sensíveis e atentas que me deram a mão e me ajudaram a renascer.

Em boa hora apareceu na minha vida um tutor que me recolheu e me proporcionou um contexto de segurança que me permitiu recuperar as notas e impedir a reprovação. Para além deste feito, que me garantiu a conclusão da minha formação profissional enquanto técnico de informática, este tutor deu-me uma segunda família, com direito a pais, irmãos, primos, enfim... tudo o que sempre sonhei! Ainda hoje, quando mais preciso, são a minha base, a minha família.


Destaco também o importante papel que os Bombeiros e os Jesuítas tiveram neste meu processo de reconstrução.


Tornei-me bombeiro voluntário e aprendi técnicas de socorrismo com o intuito de ajudar o meu avô e que me permitiram sentir, em primeira mão, o bem que me fazia poder ser útil e prestar auxílio. Também participei na fanfarra, que foi palco de expressão das minhas emoções através da música e importante contexto de integração que desenvolveu em mim o sentido de pertença a um grupo.


Uma outra experiência marcante, decorreu no verão de 2006 (ainda antes de ter ido para o Alentejo). Um amigo Jesuíta convidou-me para participar num campo de férias que me mostrou que existem e podem coexistir saudavelmente realidades muito diversas: os Gambozinos. Esta experiência deu-me alento para escolher ir estudar para o Alentejo e fez-me descobrir, com 15 anos, que não era mau gostar de Beatles, Abba, ou Queen; que a espiritualidade me faz sentir sempre que sei o caminho para voltar a casa e a mim; que eu era digno de bonitas amizades e as merecia; e que sabia ser um líder – não tivesse estado eu na linha da frente da fanfarra do bota-fogo!


Estas aprendizagens foram combustível da minha coragem e da proatividade que penso ter desenvolvido ao longo da vida, sempre dando o primeiro passo para dar resposta aos desafios com os quais me confronto. Confirmaram em mim a certeza de que me realizo através do serviço. Efetivamente, mal tive oportunidade, juntei-me à equipa de animação dos Gambozinos (onde organizávamos atividades com as crianças do bairro) e, na sequência disso, fui convidado para fazer parte do projeto Rabo de Peixe Sabe Sonhar (onde fui animador, coordenador-adjunto e responsável pela logística) e para ser animador da Academia de Líderes Ubuntu (onde disponibilizo o meu tempo, quer para a animação de equipas, quer para assegurar as condições técnicas necessárias à realização de todas as atividades).


Sentindo-me mais confiante nas minhas capacidades e movido pela necessidade de dar sentido ao meu passado através do encontro e do perdão, resolvi, já adulto, voltar a procurar o meu pai. No meu trabalho, tinha acesso a informação de bases de dados e usei-a para identificar a sua localização. Encontrei-o a norte do país e fiz-me ao caminho. Só queria ver os meus avós, nem precisava sequer de os conhecer. Mas a resposta do outro lado foi desagradável e caracterizada pelo questionamento acerca da paternidade. O meu passo tinha sido dado, mas não tinha sido bem acolhido. Triste, abandonei o local apenas reconfortado pela a certeza de que o assunto “pai” estava arrumado e que o meu coração o tinha perdoado... e que paz adveio desta certeza!


Com ela, acompanhava-me uma outra: a de que eu próprio queria ser pai um dia e de que iria mover todos os meus esforços para o ser, de verdade. Mesmo que a vida continuasse a testar-me com provações e dificuldades, eu iria lutar para ser pai, com direito e dever a tudo o que isso significa.


Investi e suei para me desenvolver enquanto pessoa e enquanto profissional. Trabalhei desde os 15 anos. De empregado num restaurante, com a minha formação em informática, consegui ser colaborador da PT, mais tarde da EDP, do Casino Estoril e agora trabalho na Microsoft! Vejo o meu esforço recompensado e sei que, independentemente da nossa origem e do nosso percurso, tudo é possível! Já fui literalmente tratado a pontapé e, mesmo que a vida não seja um mar de rosas, há esperança!


Uma esperança acompanhada a cada passo. Se não fossem as pessoas que se cruzaram comigo, nunca seria o que sou hoje. Ubuntu significa “eu sou porque tu és”. E eu sou porque nós somos, porque vocês todos são".


A vida dá muitas voltas e a do Marino revela que por vezes sentimos que andamos aos trambolhões mas há quem nos empare, mesmo que por vezes tenhamos de ser nós próprios. Sobre o sonho de um dia ser pai? Esse entretanto já o concretizou. A vida dá de facto muitas voltas e muitas são das felizes.




A avó de Marino conhece o seu bisneto. Um encontro muito especial depois de Marino ter lutado para estar com o seu filho.




Marino e Carlota - quem o resgatou no desafio do amor. Uma pessoa muito especial que o respeita e cuida. Marino confessa que ainda está a aprender a ser amado. A aceitar a ser amado e amar. Uma aventura diária entre o amor próprio, a autoconfiança e a vulnerabilidade.


Mais sobre o Marino?

Escuta em viva voz o que não foi explicado por inteiro aqui:




Carrega sobre as imagens para ler mais detalhes.

Lições de vida

-do Marino para nós-


  1. Acima de tudo, sorrir sempre perante tudo o que nos acontece;

  2. Carpe DIEM - aproveitar o momento presente, sem preocupações com o futuro; a vida é curta, por isso devemos aproveitá-la enquanto pudermos;

  3. Tudo pode mudar num segundo. Vale a pena apostar em nós e colher os bons frutos que a vida tem para nos dar;

  4. Pensa neste lema de vida: Servir e amar – Só assim podemos ser plenamente felizes

  5. So podemos ser pessoa, através dos outros - UBUNTU


Sentiste empatia por esta história? O Marino está disponível para receber e responder a todas as questões, curiosidades e/ou sugestões.

Envia-lhe um email para marino.gaspar@ipav.pt


Boas Aventuras,

Joana Feliciano & Marino Gaspar





Posts recentes

Ver tudo

Commenti


bottom of page