top of page

Programa Sonhadores Praticantes 2023 em São Tomé com Sebê Nón

Em abril de 2023, a Associação Solo Adventures marcou presença em São Tomé com a sua fundadora Joana Feliciano e a voluntária Milene Pires a convite do Sebê Nón da empreendedora Sofia Ramos.



Este ano, pela segunda vez, realizou-se em São Tomé uma versão adaptada do Programa Sonhadores Praticantes. A Solo Adventures contribuiu com uma nova versão adaptada do seu “Programa Sonhadores Praticantes – mentoria e desenvolvimento humano”, através de sessões sustentadas na metodologia da educação não formal junto das mulheres +30 anos da Roça Agostinho Neto.


Espreita aqui alguns momentos desta edição:



Estas mulheres pausaram na sua vida quotidiana muitas tarefas e responsabilidades familiares e comunitárias para compreenderem, num espaço recetivo e seguro, sem quaisquer julgamentos, mais sobre a sua identidade, vulnerabilidade, valores, coragem, propósito e sonhos.


Contribuir para o autoconhecimento, bem-estar e ajudar estas mulheres a encontrar um propósito de vida, para as suas necessidades, empoderamento e emancipação é a nossa missão em conjunto com a nossa parceira do projeto Sebê Nón.



Depois das sessões presenciais de capacitação, iniciam agora as sessões individuais à distância para mentoradas da Roça Agostinho Neto na ilha de São Tomé com mentoras em Portugal. Vamos desenvolver o seu autoconhecimento, bem-estar e definir objetivos de vida para alcançarem o sucesso! Obrigado à parceira do projeto Sebê Nón por continuarmos a caminhar em conjunto!



Gostavas de levar este Programa à tua comunidade? Conversa connosco: sonhadores.praticantes@soloadventures.pt


 

Quem é o Sebê Nón?


"O projeto que hoje se chama “Sebê Nón – Educar para a Igualdade” é fruto de um projeto-piloto que criei e implementei enquanto voluntária do programa Spirit da WACT- We Are Changing Together em 2016. Esse piloto procurou perceber qual a situação das raparigas e das mulheres santomenses.



Após isso, em Portugal, durante 2017 e 2018, submeti o piloto a um processo de incubação de forma a torná-lo num projeto mais estruturado para ser implementado num horizonte temporal mais alargado e com áreas de atuação mais focalizadas, nomeadamente na área da Educação, tendo em conta os vários tipos de educação a que as pessoas podem ter acesso ao longo da sua vida.


Nesse sentido, em 2019 regressei a São Tomé para implementar o Sebê Nón. Este é hoje um projeto de intervenção social powered by WACT, que começou a ser implementado na Roça Agostinho Neto, no distrito de Lobata, na ilha de São Tomé, em Janeiro de 2020 e cujas áreas de abordagem e atuação são a Educação e a Igualdade de género. Recentemente tem vindo a alargar-se para outras faixas etárias da população feminina e para comunidades de outros distritos da ilha.



“Sebê Nón” significa “o nosso saber” em crioulo forro, o crioulo local da ilha de São Tomé, e é um projeto que procura contribuir para o empoderamento da população feminina santomense, nomeadamente o combate ao abandono escolar e a promoção da melhoria da saúde e da qualidade de vida, através da realização de atividades acerca de temáticas que contribuem para a capacitação das participantes e que promovem a importância da escolarização e da valorização do papel social da mulher santomense, assim como o desenvolvimento de competências pessoais e sociais. Tudo isto com recurso a metodologias de Educação Não-Formal para proporcionar momentos de aprendizagem diferenciados e oportunidades de aquisição de conhecimentos inovadores e impactantes na vida das raparigas e das mulheres santomenses!"


Responsável pelo projeto: Sofia Dias Ramos

E-mail: sebenon2019@gmail.com

Instagram: @sebe.non


Quem é a empreendedora Sofia Ramos?


"Considero que sempre fui uma pessoa privilegiada. Obviamente que não tive acesso, como tanta gente, a todas as oportunidades em pleno, por várias razões ou em virtude de determinadas circunstâncias, mas em perspetiva considero-me uma pessoa, uma mulher, privilegiada.


Estudei na minha área de residência – Almada – até à 12ª classe, e depois licenciei-me em Relações Internacionais e fiz o mestrado em Estratégia em Lisboa. O foco dos meus estudos sempre foi relacionado com a área da Cooperação e Apoio ao Desenvolvimento, mais especificamente a estratégia de política externa da República Popular da China (RPC) para o desenvolvimento dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOPs).


Durante todo o meu percurso de crescimento sempre tive possibilidade de experimentar imensas coisas noutros contextos para além do contexto da Educação Formal e mais tarde pude perceber que isso foi fundamental para o meu desenvolvimento enquanto pessoa e para a minha capacidade de fazer escolhas pessoais e profissionais. Atividades como natação, ballet e outras danças, férias na praia e em zonas diferentes da zona onde eu sempre morei, surf, futebol, passeios a quintas pedagógicas, ao Pavilhão do Conhecimento e viagens dentro e fora de Portugal foram sempre oportunidades de me colocar fora da minha zona de conforto, de exploração de competências e interesses e de alargamento do leque de opções que eu pudesse ter em mente quando tivesse que fazer escolhas durante a vida.


Por isso, ou com muito contributo resultante disso, sempre tive uma noção muito clara das áreas – de estudo e de atividades – de que mais gosto. Então, além dos estudos, comecei o meu percurso de voluntariado a nível nacional, em Portugal, na Plataforma Portuguesa para os Direitos das Mulheres (PpDM). A nível internacional fiz voluntariado em 2016 através do programa Spirit da Organização Não-Governamental para o Desenvolvimento (ONGD) We Are Changing Together (WACT), no âmbito do qual fiz um curso formação em Empreendedorismo e Intervenção Social que culminou com a implementação de um projeto-piloto na ilha de São Tomé com enfoque na área da Igualdade de Género. De volta a Portugal, definitivamente apaixonada por temas afetos aos Direitos das Mulheres, direcionei o meu foco de trabalho e de formação para esta área e consegui fazê-lo tanto no meu país como noutros países.


Atualmente vivo em São Tomé há 3 anos e trabalho na Área Social com foco no empoderamento feminino e em iniciativas e projetos de intervenção junto da juventude. Posso concluir que o facto de ter sido uma pessoa privilegiada com acesso a várias experiências ao longo da minha vida me fez, por um lado, enveredar pelo caminho do trabalho no Setor Social e, por outro lado, procurar dar a pessoas de contextos sociais vulneráveis o acesso a oportunidades e recursos que permitam esse alargamento de opções de escolha como eu tive porque foi algo benéfico para o meu percurso pessoal e profissional, sobretudo como mulher."









Comentários


bottom of page